spookeep #1: POLTERGEIST

Olá Keepers! Hoje começamos uma série de posts sobre os mistérios que rondam a cultura pop. Os posts vão acontecer todas as quintas-feiras e eu espero que vocês gostem muito do conteúdo que foi elaborado com muito amor e carinho pensando em vocês!
Sem mais delongas, vamos a nossa primeiríssima publicação e o assunto misterioso de hoje é sobre a Trilogia Poltergeist – ALERTA SPOILER – vem comigo!

POLTERGEIST

Além dos filmes dessa trilogia serem super aterrorizantes, os bastidores são tão traumáticos quanto! O que faz desses filmes um dos mais amaldiçoados da história.

Poltergeist – O Fenômeno, lançado no ano de 1982, produzido por Steven Spielberg, conta a história da família Freeling, que se mudou para uma casa nova, imaginando uma vida tranquila na nova vizinhança. Grande engano, nessa residência, fenômenos paranormais começam a acontecer, ou seja, objetos começam a se mover, barulhos estranhos ecoam pelos cômodos, luzes acendem e apagam do nada e, como se esses acontecimentos não bastassem, a filhinha do casal, Carol Anne Freeling (Heather O’Rourke), desaparece após ser sugada para um armário (até aí tudo bem kk) e assim começa a saga da família para trazer a pequena de volta ao mundo real, contando com a ajuda da médium Tangina Barrons, interpretada pela atriz Zelda Rubinstein.

No decorrer do filme, a família descobre que a casa foi construída em cima de um antigo cemitério indígena (claro) e os Freelings estavam sendo assombrados pelas almas desse cemitério… Aí só você assistindo o filme para ver o desfecho dessa bagunça toda.

Os efeitos especiais são um clássico 80tista dos filmes de terror e a trilha sonora é um marco na história das trilhas sonoras! Vale MUITO a pena assistir! (Poltergeist III nem tanto kkk)


A MALDIÇÃO  
Pois muito bem, o filme é considerado amaldiçoado, não pelo seu enredo assustador, mas sim porque alguns atores do elenco morreram de forma muito triste e essas mortes foram ligadas ao filme, como se o elenco carregasse essa maldição para fora dos estúdios de gravação.

No decorrer da produção dos filmes, (Poltergeist I, II e III) que ocorreu em um intervalo de 6 anos, 4 mortes marcaram essa trilogia para sempre:

  • Dominique Dunne (Poltergeist I), que interpretou a filha mais velha do casal, Dana Freeling, foi morta aos 22 anos, em 1982, poucos dias antes do lançamento do longa. Dominique foi estrangulada pelo seu ex-namorado, que era super ciumento, possessivo e agressivo. Quando seu ex-namorado estava a estrangulando, ele colocou a trilha sonora do filme para tocar, com a intensão de abafar os gritos de Dunne… Bizarro!

  • Julian Beck (Poltergeist II), que interpretou o Reverendo Kane, faleceu em 1985, aos 60 anos, vítima de um câncer no estômago.   

  • Will Sampson (Poltergeist II), faleceu em 1987, aos 53 anos, em decorrência de uma grave desnutrição e problemas renais após um transplante de coração.         

  • Heather O’Rourke (Poltergeist I, II e III), foi a morte mais chocante do elenco. Faleceu (1988) com apenas 12 anos de idade.     

Heather, no início de 1987, foi diagnosticada (equivocadamente) com a Doença de Crohn e iniciou o tratamento para amenizar os sintomas da doença, que não tem cura.
Ela até gravou Poltergeist III durante o tratamento, dando para perceber que seu rosto estava mais inchado, pelos efeitos colaterais dos remédios aplicados, mas faleceu antes do lançamento do último filme, obrigando os produtores a contratarem uma dublê para terminar as filmagens.       
Em 31 de Janeiro de 1988, Heather passou muito mal e foi levada ao hospital. Lá sofreu parada cardíaca, foi reanimada, mas não sobreviveu.

Após sua morte, a autópsia realizada constatou que, na verdade, ela sofria de uma obstrução intestinal (estenose congênita), doença que possui um tratamento mais simples do que a Doença de Crohn.

Portanto, Heather, foi vítima de erro médico, este que causou a morte precoce da brilhante atriz mirim.


ACONTECIMENTOS ESTRANHOS   
Mas não são “só” as mortes que chocam quando falamos sobre a Trilogia Poltergeist. Foram relatados inúmeros acontecimentos bizarros:

  • Em uma foto tirada da atriz Zelda Rubinstein (Tangina Barrons) aparece uma mancha branca que não foi observada no momento da realização da imagem. A atriz também relata que passou mal nos sets de filmagens e diz que o motivo disso ter acontecido é que naquele exato momento sua mãe havia falecido.         

  • O ator Oliver Robins, que interpretou Robbie Freeling, quase faleceu no set de filmagens, porque ele estava sendo realmente estrangulado devido a uma falha no robô do palhaço em uma das cenas.     

  • A atriz JoBeth Willians, que interpretou Diane Freeling, relatou que, quando chegava em casa após as gravações, os quadros nas paredes estavam todos tortos, sendo que ninguém mexia neles. Ela arrumava os quadros, mas encontrava a mesma cena todos os dias após chegar em casa.

O Ator Will Sampson, que era um Xamã na vida real, fez um ritual nos sets de filmagens para que os fenômenos paranormais tivessem um fim, e este ritual funcionou, melhorando, e muito, o clima durante as filmagens.


POSSÍVEL EXPLICAÇÃO  
Tá bom, mas e aí, o que motivou todo esse rebuliço espiritual que pairou sobre os filmes?

Cata esse boato SINISTRO…

Diz a lenda que Steven Spielberg e o diretor do filme, Tobe Hopper, quiseram economizar no orçamento e utilizaram esqueletos humanos DE VERDADE na cena da piscina do filme Poltergeist I.

Gente, sério, essa cena é muito assustadora, ainda mais se essa lenda for verdade!

Os espíritos desses corpos não devem ter achado isso muito bacana (pelo óbvio) e começaram a assombrar o elenco e, por isso, seriam os responsáveis por todo o acontecido durante as filmagens.                   


BASEADO EM FATOS REAIS     
Sim, a trilogia se baseia nos acontecimentos paranormais que foram observados em um parque – que foi construído em cima de um cemitério – na área de Cheeseman Park em Denver, Colorado (USA).  

Visitantes deste local relataram inúmeros acontecimentos, entre eles, o aparecimento repentino de cadáveres. Tudo levava a crer que vários assassinatos aconteciam naquela região, mas depois foi constatado que o parque foi edificado sobre um cemitério e que ali jaziam milhares de corpos.


NA CULTURA POP  
Esse clássico não teve só repercussão nos cinemas, mas se espalhou pela cultura pop em geral, principalmente após o filme ser considerado maldito. A banda Misfits lançou a música “Shining” no Álbum American Psycho, de 1997, com o famoso refrão “Carol Anne, Carol Anne”.

Chegamos ao final do primeiro SpooKeep, Keepers! Espero que tenham gostado!

Até semana que vem!

– Luana

Publicado por

Aquariana de 94, B da comunidade LGBTQIA+, advogada que escreve nas horas vagas e que adora uma conspiração. Aquela que ama filmes de terror, mas só os assisti ao sol do meio dia. Contra toda autoridad excepto mi mamá!

6 thoughts on “spookeep #1: POLTERGEIST

  1. O assassino da Dominique foi condenado a seis anos de prisão mas cumpriu apenas três, e desde então viveu uma vida normal. Depois ele namorou a filha do médico da família da Dominique. O irmão da Dominique ligou pra ela contando tudo o que ele havia feito contra ela, mas a namorada achou um absurdo e processou a família da atriz que seu boy assassinou.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s